Pular para o conteúdo principal

Viagem - El Calafate e Ushuaia

El Calafate e Ushuaia, Natureza Magnífica

Lago Argentina, El Calafate

E lá fui eu, junto com familiares, para a Patagônia Argentina, sem muito planejar, na primeira quinzena de dezembro de 2016. A época nos pareceu mais conveniente porque estávamos as portas do Verão, esperando temperatura mais amena. O sol nasce às 5 e se põe por volta de 22 horas. 

Comprando os bilhetes aéreos

Após pesquisas em várias companhias, viajamos pela Aerolineas Argentinas, que ofereceu preço razoável, além de menos horas de espera nas conexões. Bilhetes de São Paulo para El Calafate, com conexão em Buenos Aires; de El Calafate para Ushuaia; e de Ushuaia para São Paulo, com conexão em Buenos Aires. Voos excelentes, viagem confortável, nada a reclamar. 

*Dica 1: Talvez seja mais interessante ir direto para o Ushuaia e de lá, para El Calafate. Por quê? Porque por toda parte a natureza é maravilhosa, mas os Glaciares são tão magníficos que, começando a viagem por eles, o restante parece que  não tem lá tanta graça, mesmo tendo!

As moedas

1 real estava valendo 5 pesos (em alguns lugares, o câmbio era até R$ 3,50, um acinte!) 
1 dólar comprava 15 pesos, de forma geral, com pequenas variações.
Em quase todos os lugares pode-se cambiar, exceto em algumas agências de viagem e no Parque Nacional dos Glaciares, em El Calafate, que aceita exclusivamente a moeda local. E cada vez que se entra no Parque, há que se pagar a tarifa, 250 pesos (cerca de 17 dólares) no caso de viajantes de países do Mercosul, e 350 pesos para os demais países. Nós entramos duas vezes, mas se a pessoa optar por mais passeios, vai morrer com 250 pesos a cada entrada.

El Calafate

Fotografia colorida retangular, horizontal. Um mastro com várias placas azuis em posições diversas, com letras brancas indicando nomes de glaciares e distâncias em quilômetros, em frente a uma casa de paredes verdes, entre vegetação florida de amarelo branco. Mais atrás, à esquerda, árvores de grande porte. Ao fundo, céu azul com tufos de nuvens brancas. Algumas das placas: "GL. PERITO MORENO - ARG - 80 KM", GL. KOLKA - RUS - 15.251KM".
El Calafate, Avenida del Libertador
A cidade de El Calafate está localizada na província de Santa Cruz, no sul da Argentina, 868m acima do nível do mar. É o local mais próximo do Parque Nacional Los Glaciares. A origem do nome El Calafate deve-se a um pequeno arbusto denominado Calafate, típico do sul da Patagônia, que é muito utilizado na preparação de doces, geleias e licores.

Escolhemos um hotel um pouco afastado do centro da cidade, talvez uns 2km, mas após o dia inteiro de passeios e caminhadas, a gente não tem forças para ir ao centro a pé. A sorte é que o hotel oferece um serviço de transporte em van, a cada hora, a partir das 17:15 até as 23:15, último horário da van da cidade para o hotel. Muito conveniente.

**Curiosidade: Em El Calafate há muitos cachorros caminhando pelas ruas. Segundo um taxista, El Calafate tem cerca de 25 mil habitantes e 30 mil cachorros, e a maioria deles têm dono, só que na época menos fria eles circulam pela rua o dia todo e quando anoitece voltam para casa.

Parque Nacional Los Glaciares



O parque está localizado no sudoeste da província de Santa Cruz, possui área de 726.927 hectares e foi criado para preservar uma extensa área de gelos continentais e glaciais, da floresta andino-patagônica austral e mostras da estepe Patagônica. É o mais extenso do Sistema Nacional de Áreas Protegidas Argentinas. O parque foi fundado em 1937 e declarado Patrimônio da Humanidade em 1981. Deste grande campo de gelo se desprendem 47 glaciares, entre eles Marconi, Viedma, Moyano, Upsala, Agassiz, Bolado, Onelli, Peineta, Spegazzini, Mayo, Ameghino, Moreno y Frias, todos eles pertencentes à costa Atlântica. São formados basicamente de neve compactada, com muitas nuances do branco ao azul.


Ushuaia

Ushuaia - Porto
Cidade argentina capital da Província da Terra do Fogo. É conhecida como a cidade mais austral do mundo ou a cidade do Fim do Mundo. Ushuaia encontra-se sobre o limite setentrional do Canal Beagle, localizada a sudoeste da Ilha Grande da Terra do Fogo.


Os passeios


Botas, imprescindíveis.


Há diversas opções de passeios, como trilhas, navegações em catamarãs, veleiros e barcos menores, caminhadas com pinguins, cavalgadas etc., a maioria sempre a uma distância considerável das cidades-base, no caso El Calafate e Ushuaia. Para se ter uma ideia, a distância entre El Calafate e o Glaciar Perito Moreno é de cerca de 80km. Por isso, há que se planejar bem para escolher os passeios a fazer, de acordo com o tempo de permanência na cidade. Outro passeio que todos os panfletos e agências de viagem dizem ser imperdível, mas que eu perdi, é a visita ao vilarejo Chaltén, onde também há glaciares. A distância entre El Calafate e Chaltén é de 220km, ida e volta, portanto, 440km, em aproximadamente 6 horas de viagem. Lá chegando, teria a visita ao charmoso povoado de 600 habitantes e o percurso às demais atrações, tudo isso para ser feito em 1 dia. Para mim, exaustivo. Deixei para outra viagem.






*Dica 2: Planejar dormir pelo menos uma noite em Chaltén e assim poder aproveitar melhor o povoado e os passeios.

El Calafate. Glaciar Perito Moreno 

Glaciar Perito Moreno e passarelas.

1º dia: Glaciar Perito Moreno, o mais lindo de todos, em minha opinião, localizado em frente à península de Magalhães. Fica a cerca de 80km de El Calafate. Há várias empresas de turismo que ofertam o passeio. Optamos por contratar um táxi. O Sr. Rubens, muito gentil e atencioso, fez várias paradas até chegarmos ao magnífico glaciar. Tudo muito bem estruturado e organizado. Há um esquema de passarelas, entre vegetação, que nos levam a uma visão bem próxima do impressionante Glaciar. Nas passarelas, existe uma área acessível a pessoas com deficiência. 

No trajeto de El Calafate até o Parque Nacional, nos primeiros 40km se percorre a estepe patagônica, de vegetação rasteira, permeada pelas águas azuis do Lago Argentina. Após a entrada no Parque Nacional dos Glaciares, observa-se vegetação arbórea - ñires, guindos, lengas - que forma a Floresta de Magalhães. Prepare as pernas, pois caminha-se bastante. 



*É possível fazer este passeio com carro particular ou alugado, seguramente sairá financeiramente mais econômico, se a pessoa não estiver viajando sozinha, e facilita a mobilidade.

El Calafate. Mais Glaciares

Glaciar Spegazzini
2º dia: Navegação em catamarã, a partir do Porto de Punta Bandeira que fica a cerca de 50km de El Calafate. Este é um passeio de dia inteiro, incluindo os traslados. Navega-se através do Braço Norte do Lago Argentino até os Canais Upsala e Spegazzini, apreciando de perto os famosos glaciares de nomes homônimos aos canais e muitos outros. O Spegazzini é o glaciar mais alto do Parque Nacional.

El Calafate. Reserva Nimez


3º dia: Dia de dormir até mais tarde e curtir um pouco a agradável área do hotel, com vista para o Lago Argentina.  Após, foi a vez de fazer uma trilha pela Reserva Nimez, Reserva Natural Municipal, nos arredores da cidade, com uma grande variedade de aves residentes e migratórias, inclusive os famosos flamingos, e uma flora característica. Porém, naquela tarde, só haviam dois exemplares das belas aves rosadas. Para quem não curte observar pássaros, é uma atração meio sem graça, nada de especial. 

El Calafate. Lago Argentina


Flamingos no Lago Argentina
À tarde, após o almoço, passeio pelas proximidades do hotel, no Lago Argentina. Aí, sim, além de muitas aves típicas da região, havia uma quantidade considerável de flamingos.

Ushuaia

4º dia: El Calafate/Ushuaia. Alugamos um carro no aeroporto e já fomos para o hotel, afastado do centro, devidamente motorizados. Por três dias, pagamos 256 dólares pelo carro, uma fortuna, e recebemos um carro velho e sem muito conforto, mas com calefação, um item muito importante lá. Após nos instalarmos no nosso espaçoso apartamento, saímos para procurar uma pizzaria. Muito frio.

Ushuaia. O trem do fim do mundo


Aguardando a hora do embarque no trem
5º dia: Passeio no Trem do fim do mundo e visita ao Parque Nacional Tierra del Fuego. 

A Estação do Fim do Mundo fica a 8km da cidade na direção ao Parque nacional Tierra del Fuego. O passeio de trem custou 690 pesos/pessoa (USD 46 ou R$ 138). Um preço exorbitante para cerca de 2 horas de percurso (ida e volta), com uma parada na subida, para fazer uma pequena trilha que dá em uma cachoeira. 

O valor da entrada no Parque foi de 130 pesos (USD 9 ou R$ 26), preço para habitante do Mercosul.

Após o passeio de trem, entramos no Parque Nacional Tierra del Fuego Enseada Zaratiegui, Baía Lapataia etc. onde passamos o restante da jornada, fizemos algumas trilhas, almoçamos em um restaurante no “meio” do caminho, em local aprazível.

Ushuaia. Circuito dos Lagos

dia: Pegamos a Estrada Nacional nº 3, a Ruta 3, em direção ao Norte, por entre montanhas, lagos e enseadas, uma estrada com uma bela vista panorâmica e vários pontos de parada. Percorremos cerca de 100km da Rota 3 por entre montanhas, lagos e cachoeiras até a cidade de Tolhuin, na margem oriental do lago Fagnano, município que pertence â Província da Terra do Fogo, no Departamento de Rio Grande.


Lago Fagnano

Lago Fagnano em Tolhuin



7º dia: Navegação no Catamarã Canoeiro para as ilhas dos pássaros, dos Lobos Marinhos (ou Leões), Farol Les Eclaireurs e ilha Martillo (ou dos Pinguins). Duração de aproximadamente 04h30, custo de 1.500 pesos/pessoa (USD 100 ou R$ 300.) Preço salgado, não é? Mas é lindo ver todas aquelas aves, lobos e pinguins, que não estão nem aí para os visitantes.


Ushuaia. Ilha dos Pássaros



Ushuaia. Ilha dos Lobos (ou Leões) Marinhos 



Ushuaia. Farol Les Eclaireurs


Ushuaia. Ilha Martillo ou dos Pinguins



Canal de Beagle desde o alto do Cerro Martial

Adicionar legenda
No final da tarde, caminhada até o Glaciar Martial, uma trilha até o topo do Cerro Martial. Lá há um teleférico, mas não estava funcionando. A trilha de cerca de 2km é considerada dura, pois é em ascensão . A subida até o Glaciar proporciona uma bela visão da cidade de Ushuaia e do Canal Beagle.



* Há um passeio chamado “Caminhada com os pinguins”, feito exclusivamente por uma agência de viagem, em que os visitantes descem na ilha dos pinguins, mas em nossa opinião, os pinguins não precisam dessa invasão de humanos, por isso nem pensamos em fazer.



8º dia: Volta para casa, após o café da manhã.


***Quanto aos preços, prepare o bolso, tudo é bastante caro pelas bandas da Patagônia Argentina. 

Fontes

https://www.parquesnacionales.gob.ar/areas-protegidas/region-patagonia-austral/pn-los-glaciares/





E lá fui eu, junto com familiares, para a Patagônia Argentina, sem muito planejamento, na primeira quena de dezembro de 2016. A época nos pareceu mais conveniente porque estávamos as portas do Verão, a estação menos fria da região. O sol nasce às 5 e se põe por volta de 22 horas. 

Comprando as passagens
Após pesquisas em várias companhias, viajamos pela Aerolineas Argentinas, que ofereceu preço razoável, além de menos horas de espera nas conexões. Bilhetes de São Paulo para El Calafate, com conexão em Buenos Aires; de El Calafate para Ushuaia; e de Ushuaia para São Paulo, com conexão em Buenos Aires. Voos excelentes, viagem confortável, nada a reclamar. 

*A dica pós-viagem é que talvez fosse mais interessante ir direto para o Ushuaia e de lá, para El Calafate. Por quê? Porque por toda parte a natureza é maravilhosa, mas os Glaciares são tão magníficos que, começando a viagem por eles, o restante parece que  não tem lá tanta graça, mesmo tendo!












Postagens mais visitadas deste blog

Recife e suas pontes

As pontes do Recife A privilegiada geografia da cidade do Recife dá à cidade um charme ainda maior com as pontes sobre os rios, córregos e canais. São mais de 60 pontes. Joaquim Nabuco disse que "as pontes do Recife são compridas como terraços suspensos sobre a água". Mais que apenas estruturas de passagem de pessoas e veículos, as pontes foram cantadas durante décadas em verso e prosa pelo próprio Nabuco e por poetas como Gilberto Freire, Manuel Bandeira, Joaquim Cardozo e muitos outros. As pontes têm papel arquitetônico imprescindível na cidade não apenas porque ligam as ilhas do Recife, de Santo Antônio e da Boa Vista, como também dão encanto especial às paisagens em cada recanto cortado pelas águas. As pontes fazem parte da identidade do Recife. No centro ficam situadas as mais conhecidas, como:

a Maurício de Nassau, a primeira em grandes dimensões do Brasil e, segundo os historiadores, talvez pioneira também nas Américas. Foi idealizada pelo Conde Maurício de Nassau, p…

Museu do Mamulengo - Olinda, Brasil

O Museu do Mamulengo - Espaço Tiridá foi inaugurado em dezembro de 1994, na rua do Amparo. Por questões estruturais mudou-se provisoriamente para a rua de São Bento, 344, onde permanece há já alguns anos. Possui um acervo de aproximadamente 1.200 bonecos. Como primeiro museu de bonecos do Brasil, divulga o mamulengo e sua tradição como teatro de boneco da região.


"Mamulengo é uma manifestação típica do teatro de bonecos popular nordestino, representado por figuras populares nas situações cotidianas. Sem caráter religioso, o mamulengo transfigura os personagens populares, revelando a alma individual e coletiva do povo. O espetáculo, improvisado, é cômico, trágico e dramático. Inicia quase sempre como uma dança e a participação da 'orquestra' e, algumas vezes, com presença do Mateus, o personagem humano que dança e faz a arrecadação. Sem conteúdo político explícito apresenta, numa crônica regional, os valores humanos elementares, as relações de trabalho e as tradições folcló…

Etimologia - Quórum

Hoje chamamos um quórum ao número mínimo de membros necessário para que sejam válidas as decisões tomadas por um corpo deliberativo ou legislativo. A exigência de quórum é uma forma de evitar que uma decisão possa ser adotada por um número pequeno de participantes.
Nos corpos colegiados da antiga Roma, cada novo integrante era recebido mediante a fórmula quórum vos unum esse volemus (do qual queremos que tu sejas um). Esta fórmula foi aplicada também no antigo tribunal britânico, cujos membros atuavam de forma solidária, que se  denominava Justices os the Quórum. Nos Parlamentos modernos, uma das técnicas de obstrução realizadas pelos setores de oposição consiste em não se apresentar nas reuniões, de modo a conseguir que o corpo não tenha quórum para secionar ou para votar.
No Priberam: Quórum (latimquorum, dosquais, genitivopluraldopronomerelativoqui, quae, quod, oqual, quem, que)
substantivo masculino 1. Númeronecessáriodemembrosparaqueuma.assembleiapossafuncionar. 2.����������…