Pular para o conteúdo principal

"Quatro triângulos de nada"...

Micheline Bernardini, e o primeiro biquíni
Foto: Wikipedia
Em 26 de junho passado, o biquíni, que surgiu na França, em 1946, completou 65 anos! Inicialmente, este elemento do figurino feminino foi acidamente criticado, chegando inclusive a ser censurado, em alguns países, como Portugal. Um jornal europeu o definiu como “quatro triângulos de nada”. Mas acabou por tornar-se símbolo da década de 1950, ao ser usado pelas atrizes Ava Gardner, Ursula Andress e Brigitte Bardot, que subverteram todos os medos e discriminações vigentes nesse período, ao adotarem essa peça da indumentária nas telas de cinema e em fotos divulgadas por toda parte. 
O biquíni somente chegou ao Brasil no fim da década de 1950, através das famosas vedetes, como Carmem Verônica e Norma Tamar que atraíam todas as atenções ao desfilarem de biquíni, na praia diante do Copacabana Palace. Logo, logo, a maior parte das brasileiras adotaram esse figurino. O Brasil não o inventou mas o consagrou definitivamente, pois o comporta o título de maior fabricante, consumidor e lançador de tendências, e é reconhecido internacionalmente, tanto pelo estilo mais ousado quanto pela qualidade e criatividade dos modelos, um diferencial com relação ao fabricado em outros países.
Nos anos 1960 o biquíni era mais ousado, revelando bem o umbigo e com uma cava maior que a dos anos 1950. Em 1962, o designer americano Rudi Gernreich criou o polêmico topless, que eliminou a parte de cima do biquíni, que não fez muito sucesso por aqui. 
Imagem sacada DAQUI
Na década de 1970 entra em cena a célebre tanga, bem menor que o já tradicional biquíni. Os biquínis apresentavam a cintura baixa, normalmente com a parte de baixo lisa e a superior bem estampada.
Anos 80: Fio dental. Imagem sacada DAQUI
Nos anos 1980 surgiram outras concepções, como o sensual enroladinho, o asa-delta, o modelo com lacinhos nas laterais e o sutiã conhecido como cortininha, além do chamado fio dental. A preferência era tons intensos tais como verde limão, rosa pink, muito brilho e tecidos em lycra. 
Moda praia anos 1990, imagem sacada DAQUI
Na década de 1990 a febre de acessórios de praia assola as terras brasileiras. Surgem as saídas de praia, cangas, chinelos óculos etc.
Atualmente. Imagem sacada daqui:
No início do século XXI ocorre uma miscelânea das mais variadas tendências, especialmente as vigentes nas décadas de 70 e 90. Novos modelos aparecem a cada momento, revolucionando ainda mais o mercado que gira em torno dessa peça da indumentária feminina.

Fonte: Infoescola, Reporternet,

Postagens mais visitadas deste blog

Recife e suas pontes

As pontes do Recife A privilegiada geografia da cidade do Recife dá à cidade um charme ainda maior com as pontes sobre os rios, córregos e canais. São mais de 60 pontes. Joaquim Nabuco disse que "as pontes do Recife são compridas como terraços suspensos sobre a água". Mais que apenas estruturas de passagem de pessoas e veículos, as pontes foram cantadas durante décadas em verso e prosa pelo próprio Nabuco e por poetas como Gilberto Freire, Manuel Bandeira, Joaquim Cardozo e muitos outros. As pontes têm papel arquitetônico imprescindível na cidade não apenas porque ligam as ilhas do Recife, de Santo Antônio e da Boa Vista, como também dão encanto especial às paisagens em cada recanto cortado pelas águas. As pontes fazem parte da identidade do Recife. No centro ficam situadas as mais conhecidas, como:

a Maurício de Nassau, a primeira em grandes dimensões do Brasil e, segundo os historiadores, talvez pioneira também nas Américas. Foi idealizada pelo Conde Maurício de Nassau, p…

Museu do Mamulengo - Olinda, Brasil

O Museu do Mamulengo - Espaço Tiridá foi inaugurado em dezembro de 1994, na rua do Amparo. Por questões estruturais mudou-se provisoriamente para a rua de São Bento, 344, onde permanece há já alguns anos. Possui um acervo de aproximadamente 1.200 bonecos. Como primeiro museu de bonecos do Brasil, divulga o mamulengo e sua tradição como teatro de boneco da região.


"Mamulengo é uma manifestação típica do teatro de bonecos popular nordestino, representado por figuras populares nas situações cotidianas. Sem caráter religioso, o mamulengo transfigura os personagens populares, revelando a alma individual e coletiva do povo. O espetáculo, improvisado, é cômico, trágico e dramático. Inicia quase sempre como uma dança e a participação da 'orquestra' e, algumas vezes, com presença do Mateus, o personagem humano que dança e faz a arrecadação. Sem conteúdo político explícito apresenta, numa crônica regional, os valores humanos elementares, as relações de trabalho e as tradições folcló…

Etimologia - Quórum

Hoje chamamos um quórum ao número mínimo de membros necessário para que sejam válidas as decisões tomadas por um corpo deliberativo ou legislativo. A exigência de quórum é uma forma de evitar que uma decisão possa ser adotada por um número pequeno de participantes.
Nos corpos colegiados da antiga Roma, cada novo integrante era recebido mediante a fórmula quórum vos unum esse volemus (do qual queremos que tu sejas um). Esta fórmula foi aplicada também no antigo tribunal britânico, cujos membros atuavam de forma solidária, que se  denominava Justices os the Quórum. Nos Parlamentos modernos, uma das técnicas de obstrução realizadas pelos setores de oposição consiste em não se apresentar nas reuniões, de modo a conseguir que o corpo não tenha quórum para secionar ou para votar.
No Priberam: Quórum (latimquorum, dosquais, genitivopluraldopronomerelativoqui, quae, quod, oqual, quem, que)
substantivo masculino 1. Númeronecessáriodemembrosparaqueuma.assembleiapossafuncionar. 2.����������…