Pular para o conteúdo principal

Artes - Paul Klee

Blue Night. Imagem copiada DAQUI
Paul Klee (1879- 1940) nasceu na Suíça. Aos 18 anos partiu para Munique, na Alemanha, para estudar arte. Estudou na Academia de Belas Artes de Munique e, estabelecendo-se nessa cidade, conheceu Kandinsky e Franz Marc, entre outros artistas de vanguarda.
Passou a fazer parte, em 1911, do grupo "Der Blaue Reiter" (" cavaleiro azul"), que reunia artistas expressionistas liderados por Wassily Kandisnky.
Klee visitou a Tunísia em 1914, o que proporcionou grande impacto em sua obra. Impressionado com a luminosidade e as cores do país africano, Klee chegou a declarar que "a cor e eu somos um só".
Durante a Primeira Guerra Mundial, Paul Klee integrou o exército imperial da Alemanha. Com o fim do conflito, tornou-se professor da famosa escola de arte moderna Bauhaus, instalando-se na cidade de Weimar.

Zitronen. Imagem copiada DAQUI
A partir de 1931, o artista tornou-se professor da Academia de Düsseldorf. Com a ascensão dos nazistas ao poder, a situação de Klee na Alemanha tornou-se difícil, sendo considerado um produtor de "arte degenerada".
Em 1933, retornou à Suíça. Dois anos depois, teve diagnosticada uma doença auto-imune e progressiva, a esclerodermia. Paul Klee faleceu em Berna, em 1940.
Além de possuir uma das mais importantes obras pictóricas da primeira metade do século 20, Paul Klee notabilizou-se por sua reflexão teórica, encontrada em textos como "Sobre a Arte Moderna" e "Confissão Criadora".

Centro Paul Klee - Berna, Suiça. Imagem DAQUI
Em junho de 2005, com a inauguração do Centro Paul Klee, a cidade de Berna, na Suíça, passou a abrigar a maior coleção individual do mundo, com 4.000 obras do artista. Projetado pelo arquiteto italiano Renzo Piano, que também projetou o Centro George Pompidou, em Paris, o museu tornou-se um riquíssimo centro de pesquisas sobre um dos fundadores da arte abstrata - o pintor e artista gráfico Paul Klee.

Fontes: pintoresfamosos
             bibliotecauol
      

Postagens mais visitadas deste blog

Recife e suas pontes

As pontes do Recife A privilegiada geografia da cidade do Recife dá à cidade um charme ainda maior com as pontes sobre os rios, córregos e canais. São mais de 60 pontes. Joaquim Nabuco disse que "as pontes do Recife são compridas como terraços suspensos sobre a água". Mais que apenas estruturas de passagem de pessoas e veículos, as pontes foram cantadas durante décadas em verso e prosa pelo próprio Nabuco e por poetas como Gilberto Freire, Manuel Bandeira, Joaquim Cardozo e muitos outros. As pontes têm papel arquitetônico imprescindível na cidade não apenas porque ligam as ilhas do Recife, de Santo Antônio e da Boa Vista, como também dão encanto especial às paisagens em cada recanto cortado pelas águas. As pontes fazem parte da identidade do Recife. No centro ficam situadas as mais conhecidas, como:

a Maurício de Nassau, a primeira em grandes dimensões do Brasil e, segundo os historiadores, talvez pioneira também nas Américas. Foi idealizada pelo Conde Maurício de Nassau, p…

Museu do Mamulengo - Olinda, Brasil

O Museu do Mamulengo - Espaço Tiridá foi inaugurado em dezembro de 1994, na rua do Amparo. Por questões estruturais mudou-se provisoriamente para a rua de São Bento, 344, onde permanece há já alguns anos. Possui um acervo de aproximadamente 1.200 bonecos. Como primeiro museu de bonecos do Brasil, divulga o mamulengo e sua tradição como teatro de boneco da região.


"Mamulengo é uma manifestação típica do teatro de bonecos popular nordestino, representado por figuras populares nas situações cotidianas. Sem caráter religioso, o mamulengo transfigura os personagens populares, revelando a alma individual e coletiva do povo. O espetáculo, improvisado, é cômico, trágico e dramático. Inicia quase sempre como uma dança e a participação da 'orquestra' e, algumas vezes, com presença do Mateus, o personagem humano que dança e faz a arrecadação. Sem conteúdo político explícito apresenta, numa crônica regional, os valores humanos elementares, as relações de trabalho e as tradições folcló…

Etimologia - Quórum

Hoje chamamos um quórum ao número mínimo de membros necessário para que sejam válidas as decisões tomadas por um corpo deliberativo ou legislativo. A exigência de quórum é uma forma de evitar que uma decisão possa ser adotada por um número pequeno de participantes.
Nos corpos colegiados da antiga Roma, cada novo integrante era recebido mediante a fórmula quórum vos unum esse volemus (do qual queremos que tu sejas um). Esta fórmula foi aplicada também no antigo tribunal britânico, cujos membros atuavam de forma solidária, que se  denominava Justices os the Quórum. Nos Parlamentos modernos, uma das técnicas de obstrução realizadas pelos setores de oposição consiste em não se apresentar nas reuniões, de modo a conseguir que o corpo não tenha quórum para secionar ou para votar.
No Priberam: Quórum (latimquorum, dosquais, genitivopluraldopronomerelativoqui, quae, quod, oqual, quem, que)
substantivo masculino 1. Númeronecessáriodemembrosparaqueuma.assembleiapossafuncionar. 2.����������…