Pular para o conteúdo principal

Recife X Nova Iorque


Fachada do edifício onde existiu a primeira Sinagoga das Américas.
Rua do Bom Jesus, bairro Recife Antigo - Recife, Brasil.
Imagem sacada do folder do Centro Cultural Judaico de Pernambuco.

Pernambuco esteve sob o domínio holandês de 1630 a 1654. Com a expulsão dos holandeses de Recife, pelos portugueses, a comunidade israelita no Nordeste do Brasil entrou em plena desagregação e houve um êxodo em busca de outras paragens, como América Central e do Norte.
Os judeus que se espalharam pelas diversas colônias francesas, inglesas e holandesas das Américas, nas novas pátrias, muito contribuíram para o desenvolvimento econômico das mesmas e implantaram aglomerações judaicas, uma das quais viria a ser nos tempos modernos a extraordinária comunidade israelita dos Estados Unidos da América do Norte.
Um grupo de 23 judeus de importância significativa para a história dos judeus no Novo Mundo deixou Recife, logo depois da sua queda, em direção à longínqua Nova Amsterdã (atual Nova York), então capital da Nova Holanda norte-americana. Esse grupo acampou em 12 de setembro de 1654, à margem do Hudson, com a esperança de encontrar ali boa acolhida, por se tratar de uma colônia holandesa. Entretanto, tal não aconteceu. E foi somente graças à intervenção da Companhia das Índias Ocidentais - em cujo seio acionistas judeus exerciam influência - que afinal se permitiu a permanência dos 23 judeus brasileiros na aldeia de Nova Amsterdã, com várias restrições, entre elas, não exercerem cargos públicos, não se dedicarem ao comércio a varejo e não fundar congregação. Decorridos apenas dois anos, os judeus já haviam conseguido adquirir um terreno para um cemitério próprio.
Pouco mais tarde, em 1664, tendo os ingleses se apoderado, das colônias holandesas da América do Norte, os judeus passaram a gozar de absoluta liberdade de consciência, podendo assim consolidar a sua comunidade e disseminar-se pelo país, onde, com o correr dos séculos, viria a se desenvolver a maior das coletividades israelitas do mundo, tendo como principal centro a cidade de Nova York, justamente a antiga aldeia de Nova Amsterdã onde, em meados do século XVII, um punhado de judeus brasileiros fugitivos do Recife estabelecera a primeira aglomeração judaica da América do Norte.

Fonte:  AQUI

Postagens mais visitadas deste blog

Recife e suas pontes

As pontes do Recife A privilegiada geografia da cidade do Recife dá à cidade um charme ainda maior com as pontes sobre os rios, córregos e canais. São mais de 60 pontes. Joaquim Nabuco disse que "as pontes do Recife são compridas como terraços suspensos sobre a água". Mais que apenas estruturas de passagem de pessoas e veículos, as pontes foram cantadas durante décadas em verso e prosa pelo próprio Nabuco e por poetas como Gilberto Freire, Manuel Bandeira, Joaquim Cardozo e muitos outros. As pontes têm papel arquitetônico imprescindível na cidade não apenas porque ligam as ilhas do Recife, de Santo Antônio e da Boa Vista, como também dão encanto especial às paisagens em cada recanto cortado pelas águas. As pontes fazem parte da identidade do Recife. No centro ficam situadas as mais conhecidas, como:

a Maurício de Nassau, a primeira em grandes dimensões do Brasil e, segundo os historiadores, talvez pioneira também nas Américas. Foi idealizada pelo Conde Maurício de Nassau, p…

Museu do Mamulengo - Olinda, Brasil

O Museu do Mamulengo - Espaço Tiridá foi inaugurado em dezembro de 1994, na rua do Amparo. Por questões estruturais mudou-se provisoriamente para a rua de São Bento, 344, onde permanece há já alguns anos. Possui um acervo de aproximadamente 1.200 bonecos. Como primeiro museu de bonecos do Brasil, divulga o mamulengo e sua tradição como teatro de boneco da região.


"Mamulengo é uma manifestação típica do teatro de bonecos popular nordestino, representado por figuras populares nas situações cotidianas. Sem caráter religioso, o mamulengo transfigura os personagens populares, revelando a alma individual e coletiva do povo. O espetáculo, improvisado, é cômico, trágico e dramático. Inicia quase sempre como uma dança e a participação da 'orquestra' e, algumas vezes, com presença do Mateus, o personagem humano que dança e faz a arrecadação. Sem conteúdo político explícito apresenta, numa crônica regional, os valores humanos elementares, as relações de trabalho e as tradições folcló…

Etimologia - Quórum

Hoje chamamos um quórum ao número mínimo de membros necessário para que sejam válidas as decisões tomadas por um corpo deliberativo ou legislativo. A exigência de quórum é uma forma de evitar que uma decisão possa ser adotada por um número pequeno de participantes.
Nos corpos colegiados da antiga Roma, cada novo integrante era recebido mediante a fórmula quórum vos unum esse volemus (do qual queremos que tu sejas um). Esta fórmula foi aplicada também no antigo tribunal britânico, cujos membros atuavam de forma solidária, que se  denominava Justices os the Quórum. Nos Parlamentos modernos, uma das técnicas de obstrução realizadas pelos setores de oposição consiste em não se apresentar nas reuniões, de modo a conseguir que o corpo não tenha quórum para secionar ou para votar.
No Priberam: Quórum (latimquorum, dosquais, genitivopluraldopronomerelativoqui, quae, quod, oqual, quem, que)
substantivo masculino 1. Númeronecessáriodemembrosparaqueuma.assembleiapossafuncionar. 2.����������…