Pular para o conteúdo principal

Dinheiro, pra que dinheiro!



Por Jeff Belmont (Flickr)
Jeff Belmonte


Estava eu hoje cedo na avenida Boa Viagem, aguardando a abertura do sinal de pedestres, para atravessar e fazer a minha caminhada/corrida diária... Eis que sou abordada por um rapaz, que me pediu informações sobre um endereço que deveria ser por ali, de um armazém de construção ou algo assim... Eu lhe falei que por ali não existia armazém de material de construção... Então foi chegando uma senhora, à qual ele mostrou o endereço... ela também não soube informar... Então ele mostrou um bilhete da Loto e falou que a pessoa que ele estava procurando lhe havia vendido aquele bilhete por R$ 10,00 e que lhe mandou um recado dizendo que ele trocaria o tal bilhete por R$ 10.000,00 e umas peças de roupa...(sic)... O rapaz parecia meio perdido... Então a senhora virou-se para mim e disse: - vamos ajudar esse rapaz... Eu topei... aí seguimos em direção ao Carrefour, que ficava ali perto e nos dirigimos à Lotérica... A senhora pediu o resultado do concurso da Loto e com ele em mão fomos até o rapaz, que nos esperava fora da Lotérica... Pasmem! Ele estava com o bilhete premiado...Conferimos dezena a dezena!!! Então, lhe comunicamos que aquele bilhetinho ali não valia somente R$ 10.000,00, não! Quando falamos o valor, mais de 4 milhões de reais, o homem empalideceu e por pouco não desmaiou! A outra senhora lhe falou que tivesse cuidado, que não comentasse com ninguém e se dirigisse à Caixa Econômica Federal... Foi aí que ele revelou que não tinha documentos, tinham sido roubados há pouco mais de um ano, e ofereceu-nos a cada uma de nós R$ 100.000,00 para o ajudarmos a receber a dinheirama. Eu não aceitei... acho que nasci para ser pobre, mesmo! He he he... fazer o quê??!! (risos). A outra senhora disse que aceitaria se eu topasse... como não topei... Fomos embora cada um pro seu lado... o rapaz aflito se distanciou rapidamente... Foi assim que perdi R$ 100.000,00.



Postagens mais visitadas deste blog

Recife e suas pontes

As pontes do Recife A privilegiada geografia da cidade do Recife dá à cidade um charme ainda maior com as pontes sobre os rios, córregos e canais. São mais de 60 pontes. Joaquim Nabuco disse que "as pontes do Recife são compridas como terraços suspensos sobre a água". Mais que apenas estruturas de passagem de pessoas e veículos, as pontes foram cantadas durante décadas em verso e prosa pelo próprio Nabuco e por poetas como Gilberto Freire, Manuel Bandeira, Joaquim Cardozo e muitos outros. As pontes têm papel arquitetônico imprescindível na cidade não apenas porque ligam as ilhas do Recife, de Santo Antônio e da Boa Vista, como também dão encanto especial às paisagens em cada recanto cortado pelas águas. As pontes fazem parte da identidade do Recife. No centro ficam situadas as mais conhecidas, como:

a Maurício de Nassau, a primeira em grandes dimensões do Brasil e, segundo os historiadores, talvez pioneira também nas Américas. Foi idealizada pelo Conde Maurício de Nassau, p…

Museu do Mamulengo - Olinda, Brasil

O Museu do Mamulengo - Espaço Tiridá foi inaugurado em dezembro de 1994, na rua do Amparo. Por questões estruturais mudou-se provisoriamente para a rua de São Bento, 344, onde permanece há já alguns anos. Possui um acervo de aproximadamente 1.200 bonecos. Como primeiro museu de bonecos do Brasil, divulga o mamulengo e sua tradição como teatro de boneco da região.


"Mamulengo é uma manifestação típica do teatro de bonecos popular nordestino, representado por figuras populares nas situações cotidianas. Sem caráter religioso, o mamulengo transfigura os personagens populares, revelando a alma individual e coletiva do povo. O espetáculo, improvisado, é cômico, trágico e dramático. Inicia quase sempre como uma dança e a participação da 'orquestra' e, algumas vezes, com presença do Mateus, o personagem humano que dança e faz a arrecadação. Sem conteúdo político explícito apresenta, numa crônica regional, os valores humanos elementares, as relações de trabalho e as tradições folcló…

Etimologia - Quórum

Hoje chamamos um quórum ao número mínimo de membros necessário para que sejam válidas as decisões tomadas por um corpo deliberativo ou legislativo. A exigência de quórum é uma forma de evitar que uma decisão possa ser adotada por um número pequeno de participantes.
Nos corpos colegiados da antiga Roma, cada novo integrante era recebido mediante a fórmula quórum vos unum esse volemus (do qual queremos que tu sejas um). Esta fórmula foi aplicada também no antigo tribunal britânico, cujos membros atuavam de forma solidária, que se  denominava Justices os the Quórum. Nos Parlamentos modernos, uma das técnicas de obstrução realizadas pelos setores de oposição consiste em não se apresentar nas reuniões, de modo a conseguir que o corpo não tenha quórum para secionar ou para votar.
No Priberam: Quórum (latimquorum, dosquais, genitivopluraldopronomerelativoqui, quae, quod, oqual, quem, que)
substantivo masculino 1. Númeronecessáriodemembrosparaqueuma.assembleiapossafuncionar. 2.����������…