Pular para o conteúdo principal

Caderno de viagens - Isla Dama

Banheiro com teto solar - Choros, Chile.
Foto: Lais Castro 2001

Quando fui à Santiago de Chile inventei de ir ao deserto... no caso, para uma pequena ilha chamada Dama, onde acamparíamos. Era uma ilha deserta, sem casas, sem luz elétrica, sem água doce... pasmem! Eu nunca tive muito juízo... quando menos espero... "inconscientemente " estou envolvida em alguma aventura! Éramos oito, somente eu de brasileira, e partimos de Santiago às 11 horas da noite, numa velha veraneio desconfortável, conduzida por Jorge que, além de nosso motorista, era o nosso guia. Por volta de 07h30 da manhã estávamos tomando café na cidadezinha de Cacumbo, vizinha à cidade de La Serena. Após o café, já em La Serena, visitamos uma feira de artesanato enquanto Jorge fazia as compras de supermercado, para suprir as nossas necessidades na ilhota. Pegamos novamente a estrada, dessa vez já sem asfalto, e uma hora depois chegávamos ao pequeno povoado Choros , à beira do Oceano Pacífico, de onde partiríamos para visitar a Reserva Nacional de Pinguins Humboldt, na isla Choros, vizinha a isla Dama. Lá fomos nós num barco a motor rumo a alto mar... ai, ai, ai,... só aqui foi que lembrei que o balanço do mar me mareia... E lá íamos nós, eu o mais imóvel possível, para não enjoar, ao encontro de ondas enooormes, que me faziam lembrar do filme "Alcatraz fuga impossível"... Eu me dizia mentalmente: "Lais, o que você está fazendo aqui?" Mas já estava feito... Bom, foram quatro horas navegando em volta de isla Choros, observando uma quantidade imensa de golfinhos, pinguins, leões marinhos e uma enorme variedade de lindas aves... tudo muito lindo, realmente, mas eu só pensava no momento em que pisaria em terra firme.
Chegar em isla Dama foi um alívio! Tudo correu bem, foi divertido! O pôr de sol lá é maravilhoso! Foram três dias de uma natureza meio híbrida, com banhos só de mar, água muito fria, calor durante o dia e muito frio à noite! Uma noite Jorge fez churrasco de peixe... uma delícia!
Mas... confesso... adorei voltar à civilização, cama macia, lençóis quentinhos, luz elétrica, cinema...

P.S.: Foto do banheiro com teto solar do nosso barqueiro, no povoado de Choros.

Postagens mais visitadas deste blog

Recife e suas pontes

As pontes do Recife A privilegiada geografia da cidade do Recife dá à cidade um charme ainda maior com as pontes sobre os rios, córregos e canais. São mais de 60 pontes. Joaquim Nabuco disse que "as pontes do Recife são compridas como terraços suspensos sobre a água". Mais que apenas estruturas de passagem de pessoas e veículos, as pontes foram cantadas durante décadas em verso e prosa pelo próprio Nabuco e por poetas como Gilberto Freire, Manuel Bandeira, Joaquim Cardozo e muitos outros. As pontes têm papel arquitetônico imprescindível na cidade não apenas porque ligam as ilhas do Recife, de Santo Antônio e da Boa Vista, como também dão encanto especial às paisagens em cada recanto cortado pelas águas. As pontes fazem parte da identidade do Recife. No centro ficam situadas as mais conhecidas, como:

a Maurício de Nassau, a primeira em grandes dimensões do Brasil e, segundo os historiadores, talvez pioneira também nas Américas. Foi idealizada pelo Conde Maurício de Nassau, p…

Museu do Mamulengo - Olinda, Brasil

O Museu do Mamulengo - Espaço Tiridá foi inaugurado em dezembro de 1994, na rua do Amparo. Por questões estruturais mudou-se provisoriamente para a rua de São Bento, 344, onde permanece há já alguns anos. Possui um acervo de aproximadamente 1.200 bonecos. Como primeiro museu de bonecos do Brasil, divulga o mamulengo e sua tradição como teatro de boneco da região.


"Mamulengo é uma manifestação típica do teatro de bonecos popular nordestino, representado por figuras populares nas situações cotidianas. Sem caráter religioso, o mamulengo transfigura os personagens populares, revelando a alma individual e coletiva do povo. O espetáculo, improvisado, é cômico, trágico e dramático. Inicia quase sempre como uma dança e a participação da 'orquestra' e, algumas vezes, com presença do Mateus, o personagem humano que dança e faz a arrecadação. Sem conteúdo político explícito apresenta, numa crônica regional, os valores humanos elementares, as relações de trabalho e as tradições folcló…

Etimologia - Quórum

Hoje chamamos um quórum ao número mínimo de membros necessário para que sejam válidas as decisões tomadas por um corpo deliberativo ou legislativo. A exigência de quórum é uma forma de evitar que uma decisão possa ser adotada por um número pequeno de participantes.
Nos corpos colegiados da antiga Roma, cada novo integrante era recebido mediante a fórmula quórum vos unum esse volemus (do qual queremos que tu sejas um). Esta fórmula foi aplicada também no antigo tribunal britânico, cujos membros atuavam de forma solidária, que se  denominava Justices os the Quórum. Nos Parlamentos modernos, uma das técnicas de obstrução realizadas pelos setores de oposição consiste em não se apresentar nas reuniões, de modo a conseguir que o corpo não tenha quórum para secionar ou para votar.
No Priberam: Quórum (latimquorum, dosquais, genitivopluraldopronomerelativoqui, quae, quod, oqual, quem, que)
substantivo masculino 1. Númeronecessáriodemembrosparaqueuma.assembleiapossafuncionar. 2.����������…