Pular para o conteúdo principal

Etimologia das palavras - eletricidade

"The lightening field". Walter de Maria, artista americano.
(Imagem Google)

O filósofo grego Tales de Mileto, que viveu até o ano 600 a.C. já havia advertido que o âmbar, uma substância resinosa amarelada, ao ser esfregado, especialmente com peles de animais, adquiria a estranha propriedade de atrair objetos leves, como plumas ou outros pequenos corpos. Os gregos não sabiam como explicar este fenômeno que ficou registrado então como um comportamento curioso do elétron, como chamavam ao âmbar.

A palavra foi herdada dos romanos, que o chamaram de eletro, porém as causas da propriedade de atrair alguns pequenos corpos continuaram ignoradas até fins do século XVI, quando o médico inglês William Gilbert (1544-1603), em pleno Renascimento, publicou seu trabalho De Magnete, no qual aventurava as primeiras hipóteses sobre aquela misteriosa característica. Devemos considerar que naquela época se ignorava a estrutura do átomo e tampouco se sabia sobre a existência dos elétrons, e que a única propriedade conhecida (embora não explicada) da eletricidade era a que se verificava com o âmbar. Em 1646, outro médico inglês, Thomas Browne, escreveu um tratado em latim sobre o mesmo fenômeno, intitulado Pseudodoxia epidêmica, mais conhecido como Erros vulgares.

Em 1740, o cientista estadunidense Benjamin Franklin (1706-1790) realizou experimentos com um pequeno barril em uma tormenta. Por este caminho, abordou a eletricidade de outro ponto de vista, até que descobriu que o comportamento de raios e trovões estava vinculado de alguma forma com as propriedades do âmbar, e por este motivo estes fenômenos foram englobados sob o nome genérico de eletricidade.

Os pesquisadores já começavam a suspeitar que aquelas surpreendentes propriedades da matéria podiam chegar a constituir uma fonte de energia, porém ainda estavam longe de conceber até que ponto aquela força desconhecida seria um dia importante para a humanidade.


Tradução livre feita por Lais Castro, a partir de "La palavra del día", de Ricardo Soca.


* Postagem feita em homenagem a Léo, do Blog Brainstorm -Ride



Postagens mais visitadas deste blog

Recife e suas pontes

As pontes do Recife A privilegiada geografia da cidade do Recife dá à cidade um charme ainda maior com as pontes sobre os rios, córregos e canais. São mais de 60 pontes. Joaquim Nabuco disse que "as pontes do Recife são compridas como terraços suspensos sobre a água". Mais que apenas estruturas de passagem de pessoas e veículos, as pontes foram cantadas durante décadas em verso e prosa pelo próprio Nabuco e por poetas como Gilberto Freire, Manuel Bandeira, Joaquim Cardozo e muitos outros. As pontes têm papel arquitetônico imprescindível na cidade não apenas porque ligam as ilhas do Recife, de Santo Antônio e da Boa Vista, como também dão encanto especial às paisagens em cada recanto cortado pelas águas. As pontes fazem parte da identidade do Recife. No centro ficam situadas as mais conhecidas, como:

a Maurício de Nassau, a primeira em grandes dimensões do Brasil e, segundo os historiadores, talvez pioneira também nas Américas. Foi idealizada pelo Conde Maurício de Nassau, p…

Museu do Mamulengo - Olinda, Brasil

O Museu do Mamulengo - Espaço Tiridá foi inaugurado em dezembro de 1994, na rua do Amparo. Por questões estruturais mudou-se provisoriamente para a rua de São Bento, 344, onde permanece há já alguns anos. Possui um acervo de aproximadamente 1.200 bonecos. Como primeiro museu de bonecos do Brasil, divulga o mamulengo e sua tradição como teatro de boneco da região.


"Mamulengo é uma manifestação típica do teatro de bonecos popular nordestino, representado por figuras populares nas situações cotidianas. Sem caráter religioso, o mamulengo transfigura os personagens populares, revelando a alma individual e coletiva do povo. O espetáculo, improvisado, é cômico, trágico e dramático. Inicia quase sempre como uma dança e a participação da 'orquestra' e, algumas vezes, com presença do Mateus, o personagem humano que dança e faz a arrecadação. Sem conteúdo político explícito apresenta, numa crônica regional, os valores humanos elementares, as relações de trabalho e as tradições folcló…

Etimologia - Quórum

Hoje chamamos um quórum ao número mínimo de membros necessário para que sejam válidas as decisões tomadas por um corpo deliberativo ou legislativo. A exigência de quórum é uma forma de evitar que uma decisão possa ser adotada por um número pequeno de participantes.
Nos corpos colegiados da antiga Roma, cada novo integrante era recebido mediante a fórmula quórum vos unum esse volemus (do qual queremos que tu sejas um). Esta fórmula foi aplicada também no antigo tribunal britânico, cujos membros atuavam de forma solidária, que se  denominava Justices os the Quórum. Nos Parlamentos modernos, uma das técnicas de obstrução realizadas pelos setores de oposição consiste em não se apresentar nas reuniões, de modo a conseguir que o corpo não tenha quórum para secionar ou para votar.
No Priberam: Quórum (latimquorum, dosquais, genitivopluraldopronomerelativoqui, quae, quod, oqual, quem, que)
substantivo masculino 1. Númeronecessáriodemembrosparaqueuma.assembleiapossafuncionar. 2.����������…